Páginas

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Prévias da Nova Arte Interna de O Forte das Terras Marginais!

Dan Ramos, diretor de arte da Redbox Editora, soltou em seu perfil pessoal mais algumas prévias, do que muito possivelmente, são artes internas da nova impressão de O Forte das Terras Marginais, de autoria de Rafael Beltrame e inspirada na clássica The Keep on the Borderlands. Minha aventura favorita do Old Dragon.

O título "Forte Ilustra" reforça imensamente a possibilidade. Mas como nada foi oficialmente divulgado pela editora, podem acontecer mudanças.


Em sua última atualização, a Redbox divulgou que o seu andamento estava em 60%, aguardando as novas ilustrações internas e a nova capa para então entrar na etapa de diagramação. Seu lançamento é previsto para 2017.

Atualização (05/04/2017): prévias da capa:


 

28 comentários:

  1. Será que haverá material novo fazendo uma expansão do que já vimos? Não seria nada mal uma modificada no entorno do Forte com mais mini-aventuras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria mais um motivo para quem já possui a aventura adquirir novamente, mas acho pouco provável já que não mencionaram nada até agora.

      Excluir
  2. Olá, não tem nada a ver com o post mas preciso de uma ajudinha: magias no old dragon, o tempo de duração em turnos, significa cada turno tipo jogador 1, 2, 3...passaram 3 turnos ou significa rodada, onde a cada vez que for o mago passou um turno da magia? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando falar "turnos", é como no seu primeiro exemplo. E lembrando, uma rodada no Old Dragon são dez turnos, e não quando todos tiveram o seu turno.

      Excluir
    2. então se tem jogadores 1,2e3, eu sou o 1, lanço magia de duração 2 turnos, quando chegar no 3º jogador ela acaba? Se é isto, obrigado pela ajuda!

      Excluir
    3. imagino que seja turnos do conjurador, senão as magias não iam prestar muito.

      Excluir
  3. Olá, aqui estou encomodando novamente. No mesmo diz que postei aqui a dúvida, mandei um e-mail para a redbox. Hoje eles me responderam que um turno acaba quando for a sua ve de jogar novamente. Desta forma me embaralhei completamente, pois como você respondeu acima, é o que eu acredito também. Acho que manterei esta ideia, pois consultando o D&D Redbox, ali é invertida a noção de turno e rodada, sendo assim, acredito que houve um erro nesta modificação, claro não querendo diinuir a credibilidade do sistema, visto que é meu preferido, apenas colocando a situação em foco para que outros possam sanar alguma futura dúvida. Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Appcrash, uma vez bateu essa dúvida. Uma esfera flamejante que durava 6 turnos contamos como o turno de cada jogador (o que foi um massacre contra os inimigos).

      Depois, vendo a duração de enfeitiçar pessoas, ficou estranho porque em uma luta com muitos participantes, a magia poderia expirar antes do personagem enfeitiçado poder agir.

      Aí corrigimos a nossa noção de turno e rodada. O turno acaba quando for minha vez de jogar novamente. Ou seja, se uma magia tem duração de 3 turnos, são 3 turnos de combate completos do jogador (ou seu equivalente em tempo em ações fora de combate).

      Não lembro de ter visto nenhuma magia que tinha duração em rodadas. Usamos a noção de rodadas em efeitos externos ao combate, como exploração da masmorra ou de áreas abertas.

      Excluir
    2. Pois, é baseado no D&D cheguei a esta conclusão também. Mas a dúvida: Como você fez com a esfera flamejante? Turno como rodada correto? A esfera anda 10m, e quando for minha vez novamente, ela anda mais 10m?

      Excluir
    3. Turno como rodada você diz o turno do jogador até o próximo turno desse jogador, certo?

      Durante o turno do mago, ele pode controlar a esfera para andar até 10m. As criaturas que estiverem na área da esfera quando termina o turno do mago sofrem o dano indicado. Quando for novamente o turno do mago, o processo se repete.

      Ex: M como mago, G como Guerreiro e On como Orc N. Os personagens são apresentados na ordem de iniciativa.

      Sequencia 1:
      M O1 O2 G
      - Turno do Mago: Mago conjura a esfera em cima dos 2 orcs, que estão lado a lado. O turno termina e os orcs tomam 2d6 de dano.
      - Turno do Orc 1 e do Orc 2: Orcs se movimentam pra fora da área da esfera para tentar alcançar o mago
      - Turno do Guerreiro: O guerreiro parte em carga para interceptar os orcs

      Como todos os personagens já agiram, a sequência de combate retorna ao passo 2 (página 56, Livro de Regras Básicas, Outubro de 2010), determinação dos turnos e iniciativa.

      Sequencia 2:
      G O1 O2 M
      - O guerreiro completa a carga e atinge o Orc 1, interceptando o mesmo.
      - Os orcs decidem que derrubar o guerreiro (e não o mago) é sua prioridade
      - O mago movimenta a esfera até sua área tocar os orcs mas não o guerreiro. Os orcs tomam 1d6 pontos de dano da esfera flamejante. O mago conjura mísseis mágicos no Orc 1.

      Sequencia 3: Orcs que estavam escondidos se preparam para atirar flechas no mago.

      E assim vai o combate.

      Excluir
    4. Outra coisa que faço é não deixar os magos e clérigos saberem o tempo da sua magia. Os fatores variáveis, como o 1d6 turnos da esfera flamejante, eu rolo atrás do escudo. O mago tem uma idéia do mínimo e do máximo do tempo (baseado no mínimo e máximo do d6 + o número de turnos por nível da magia), mas não sabe com exatidão.

      A minha decisão em fazer dessa maneira é mostrar como a magia é imprevisível no mundo de jogo. Os magos moldam a energia a seu favor, mas não tem controle absoluto sobre ela.

      Outros mestres preferem que o jogador saiba exatamente o tempo, deixa até mais estratégico, podendo se preparar para quando invocar outro feitiço ou combinar efeitos como Teia e Mãos Flamejantes.

      Excluir
    5. No d&d red box a rodada dura 6segundos e o turno 1minuto. Por algum motivo a noção era diferente, por isso talvez a confusão. Mas sim na esfera flamejante ela anda 10m cada vez q for o mago a jogar. Obrigado.

      Excluir
    6. Aqui venho eu encomodar novamente. Entendi a questão de turno. Num combate quando realizo uma ação e, após todos realizarem a suas for novamente minha vez, foi-se 1 turno meu. Ok, mas por ex o wyver tem um veneno que dura 1d8 rodadas. Quanto tempo em turnos isto leva? se entre jogadores e monstros um embate possui 5 personagens e como o livro diz que 1 rodada são 10 turnos, não fica absurso isto? Galera, sei que to sendo chato, mas é que não to conseguindo entender as noções de tempo. Obrigado!

      Excluir
    7. Realmente, o livro faz confusão. Wyvern no livro básico tem 1d8 rodadas de veneno. No bestiário, 1d8 TURNOS. Realmente rodada é uma noção meio que não utilizada. Bem obrigado mesmo assim galera, vc são 10!!!

      Excluir
    8. Appcrash, isso mesmo, o Bestiário tem precedência sobre o que é dito no livro de regras básicas quanto aos monstros.

      Seria bom encaminhar essas dúvidas ao pessoas da Redbox para que façam as clarificações ou correções nas próximas impressões do Livro de Regras Básicas e no vindouro livro Cyclopedia.

      Excluir
    9. Ultima pergunta, mesmo juro: Como tu rola iniciativa? 1 vez por combate, ou a cada rodada?

      Excluir
    10. É um tanto "off", mas não tem problema. Conforme o diagrama de combate (Livro Básico, página 69) você precisa fazer o teste de iniciativa após sua declaração de ação, ou seja, a cada turno do personagem. Eu, particularmente, rolo uma única vez no combate para agilizar as coisas, questão de preferência.

      Excluir
    11. Uso a recomendação do livro: No final da sequência de combate (ao final de todos os turnos, todos os personagens e NPCs agiram, o que seria equivalente ao que você está dizendo como rodada nessa pergunta), os PJs declaram suas ações (atacar com arma tal, usar magia tal, correr para tal lugar, etc.) e rolam as iniciativas de acordo.

      Como Old Dragon apresenta modificadores de iniciativa variados para cada ação, arma ou magia, faz sentido fazer assim. Claro que opcionalmente você pode rolar uma iniciativa no início e mantê-la até o final da cena, mas aí estaria deixando de usar o componente tático dos modificadores de iniciativa.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Cássio, sua incapacidade de entender a proposta do produto, e por tanto se frustrar, não o classifica como ruim. O Forte das Terras Marginais possui sim uma história, mas que trabalha mais como uma base sólida o suficiente para que possa ser desenvolvida conforme ações dos jogadores do que como uma narrativa linear de eventos.

      Excluir
    2. Mas a graça tá na narrativa emergente da aventura, criada pelas escolhas dos próprios jogadores interagindo com o universo do jogo. O livro te entrega um ambiente legal para explorar, com diversas possibilidades de aventuras, e foi o suficiente pra narrar uma campanha inteira usando esse suplemento, inclusive acabamos criando uma ambientação ao redor do Forte.
      A propósito a história da nossa campanha nunca teve fim definido, as coisas vão acontecendo e eu narro as consequências. Entendo a sua preocupação com o narrador iniciante, e acho que o livro cumpre seu papel nesse sentido, entregar um plot completo iria inibir a liberdade criativa do grupo.

      Excluir
    3. Bom, se me permitem vou dar minha opinião: O forte é baseado no Keep on Borderlands do Gary. Aquestão é: RPG Old School em geral era muito mais jogo do que hobby, logo história não tinha tanta importância quanto a diversão de jogar e explorar (estou com isto dizendo que não tem história ou que história não é importante? NÃO! Leia novamente, era menos importante apenas). Tanto é que várias aventuras iniciais já colocavam os aventureiros nas portas de uma masmorra ou coisa do tipo. Mas, voltando ao assunto, a proposta do forte é voc~e ter um suplemento genérico onde pode criar suas aventuras com um layout pronto. Eu pelo menos amei o suplemento e é um dos meus favoritos. Outra coisa, sobre a história novamente: Descobri com o pouco de XP que pude pegar nestes anos de rpg, que não se cria histórias, é um jogo! O grupo, como um todo é quem cria a história. A idéia é o mestre propor uma situação e o grupo, por meio de suas reações e ações, desenvolver uma história em conjunto. Não estou dizendo que existe um jeito certo e um errado de jogar, apenas que se for criticar um material porque ele não atende suas necessidades, e ainda chamar de B****, porque acha que um mestre iniciante não vai conseguir utilizar, tenha em mente que outros gostam e você tem que respeitar, mestres iniciantes mestrarão errado até aprenderem, faz parte do aprendizado e da magia deste maravilhoso hobby (aqui falo hobby pois pro mestre é mais do que um jogo, visto que envolve leitura pesquisa e muito mais). E ainda no ponto "mestre iniciante" esta aventura é um convite para o mestre iniciante aprender, pois não da nada pronto, mas dá ferramentas pra facilitar sua vida, pois se vamos entrar nesta questão, o mestre novato consegue criar uma história, o que as vezes é dificil é aplicar todas as regras, e o suplemento ajuda.

      Bem, espero não ter faltado com respeito a ninguem, e se caso o fiz, peço perdão antecipadamente. Obrigado!

      Excluir
    4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...